Aftas e Alveolites

 

Recentemente, Laszló JF et al., 2012(11) , realizaram um estudo duplo-cego randomizado e controlado com o objetivo de avaliar o efeito de inibição da dor por meio da exposição local à magnetoterapia nas desordens  temporomandibulares, nas alveolites e nas aftas da mucosa oral. Participaram 79 adultos randomizados em grupo experimental e placebo todos recebendo uma única aplicação de 5 minutos de magnetoterapia local (0  a  192mT) ou à exposição  falsa. A avaliação da percepção da dor foi baseada na comum escala visual análoga (EVA) testada antes e depois da exposição.

 

Expressiva redução na percepção da dor ocorreu no grupo com desordens temporomandibulares (média de redução de 2 pontos no grupo que recebeu  exposição verdadeira e redução de 0,5 ponto no grupo placebo, com diferença estatística significante). Nos casos de alveolite e de afta não foram obtidos resultados significativos de redução imediata da dor.

Em conclusão, os autores afirmam que a magnetoterapia é um método não medicamentoso, rápido e fácil que pode potencialmente auxiliar os estomatologistas (profissional de uma especialidade da odontologia) que buscam métodos alternativos de anestesia local especialmente quando a anestesia sistêmica é contraindicada.

criança-com-afta.jpg